Última atualização:

03/08/2009, 16:00


Veja Também:

O Mercador de Veneza

William Shakespeare


A peça começa com Antonio, um mercador cristão, em estado de depressão. Seus amigos tentam consolá-lo, mas nada funciona para fazê-lo se sentir melhor. Finalmente, chega Bassanio, um aristocrata que tinha perdido toda sua fortuna, e pede ao seu amigo Antonio que lhe empreste algum dinheiro.

Antonio, que tinha todo o seu dinheiro empregado em negócios marítimos, não tem como dar um empréstimo diretamente a Bassanio. Ao invés disso, ele se oferece para usar o seu bom crédito para conseguir um empréstimo para Bassanio. Bassanio encontra Shylock, um agiota judeu, e o convence a lhe emprestar três mil ducados, já que Antonio assinará o contrato no seu lugar. Estranhamente, ao invés de cobrar juros aos cristãos, Shylock concorda em conceder o empréstimo contanto que Antonio prometa a ele uma libra da sua carne como garantia. Antonio, achando que isso é uma brincadeira, aceita a condição do contrato e o assina.

Bassanio pega o dinheiro e se prepara para visitar Portia, uma rica herdeira que vive em Belmonte. Ela ainda está solteira, pois seu pai havia decidido que todos os pretendentes deveriam primeiro passar por um teste. Três caixas eram apresentadas - uma de ouro, outra de prata e outra de chumbo, cada qual com uma inscrição na tampa. O pretendente deveria escolher uma caixa e abri-la; se a caixa revelasse um retrato de Portia, ele poderia se casar com ela.

Antes da chegada de Bassanio, o Príncipe do Marrocos tenta sua sorte escolhendo uma caixa. Ele pega a caixa de ouro porque ela tem a inscrição "o que todo homem deseja". Ao invés do retrato de Portia, ele encontra uma caveira, que simboliza o fato de que o ouro esconde a corrupção. Como parte da derrota, ele é obrigado a jurar nunca mais propor casamento a outra mulher e tem que retornar ao Marrocos imediatamente. O próximo candidato, o Príncipe de Aragão, seleciona a caixa de prata, que traz uma inscrição dizendo que dará a um homem o que ele merece. Dentro dela, há o retrato de um idiota, indicando que sua abordagem egoísta foi estúpida. Ele também se retira envergonhado.

De volta a Veneza, Jessica, a filha de Shylock, se apaixona por Lorenzo. Eles planejam fugir naquela noite, pois Shylock estará ausente, jantando na casa de Bassanio. Depois que Shylock sai, Lorenzo chega na sua casa com dois amigos. Jessica aparece na janela vestida como um rapaz e joga para eles uma arca cheia de jóias e dinheiro. Ela depois sai da casa e foge com Lorenzo.

Shylock, ao descobrir que sua filha tinha partido com boa parte do seu dinheiro, culpa Antonio por ajudá-la a fugir. Ao mesmo tempo, correm rumores em Veneza que muitos dos navios de Antonio haviam se perdido no mar ou afundado; uma péssima notícia para Antonio, pois ele esperava usar os lucros das viagens para reembolsar Shylock pelo empréstimo. Shylock começa a se alegrar pela ruína de Antonio; assim, ele poderá cobrar sua libra de carne como vingança pelos muitos insultos que Antonio tinha feito a ele ao longo dos anos.

Bassanio chega a Belmonte e encontra Portia. Ela se lembra dele como o soldado audaz pelo qual ela se apaixonara vários anos antes. Portia implora a Bassanio que espere antes de escolher as caixas, mas ele exige o direito de começar imediatamente. Sem mesmo ler direito as inscrições, ele escolhe a caixa de chumbo porque ele a acha ameaçadora. Portia fica muito alegre quando ele descobre o seu retrato dentro dela. Ela lhe dá um anel para selar o seu noivado e eles se preparam para se casar no dia seguinte. Graziano, que tinha acompanhado Bassanio a Belmonte, diz a ele que também deseja se casar com Nerissa, amiga de Portia.

Um mensageiro chega e entrega a Bassanio uma carta de Antonio, na qual ele informa que perdeu todo o dinheiro e tem que entregar uma libra de carne para Shylock. Bassanio imediatamente conta a Portia o que aconteceu. Ela ordena que ele pegue seis mil ducados e volte para Veneza, onde ele pode pagar Shylock e cancelar o contrato. Depois que Bassanio e Graziano saem, Nerissa e Portia partem para Veneza disfarçadas como homens.

Shylock faz com que prendam Antonio e o levem diante do Duque de Veneza, que preside um tribunal de justiça. O Duque pede a Shylock que perdoe a dívida e deixe Antonio ser libertado. Quando ele recusa, o Duque pergunta como ele espera qualquer perdão se ele se mostra incapaz de dá-lo. O Duque então diz aos homens reunidos que ele está aguardando a chegada de um doutor em leis.

Nerissa entra no tribunal e entrega uma carta ao Duque. A carta diz que o Doutor Bellario não poderia comparecer mas tinha enviado um jovem e educado doutor no seu lugar. Portia chega disfarçada como o Doutor Baltazar. Ela diz ao Duque que tinha estudado o caso e passará a dirigir os trabalhos do tribunal. Ela primeiramente pede o contrato a Shylock e o examina cuidadosamente. Bassanio se oferece para pagar a Shylock seis mil ducados, mas ele se recusa a aceitar o pagamento, preferindo matar Antonio e se vingar. Incapaz de achar qualquer falha, Portia concede a Shylock sua libra de carne. Shylock, muito alegre pela sua vitória, pega uma faca e se prepara para cortar o peito de Antonio.

Portia o interrompe perguntando se ele tinha um cirurgião presente para estancar o fluxo de sangue. Shylock fala que o contrato não dizia nada sobre trazer um médico. Ela o informa que ele pode ter sua libra de carne, mas se ele derramar uma única gota de sangue então Veneza pode legalmente confiscar suas terras e riquezas. Shylock, claramente incapaz de se sujeitar a esta lei, muda de idéia e pede os seis mil ducados. Portia recusa o seu pedido, explicando que já havia dado a sentença concordando com o contrato, e ela tinha que ser cumprida.

Portia então começa a ler o contrato em voz alta, reafirmando que Shylock tinha que retirar exatamente uma libra de carne, nem mais nem menos, ou ele irá violar o contrato e morrerá. Shylock diz ao tribunal que deseja abandonar totalmente sua queixa e perdoar a dívida de Antonio. Portia novamente recusa seu pedido, explicando que a lei em Veneza diz que se qualquer estrangeiro conspira contra a vida de um veneziano, metade da sua riqueza tem que ser dada ao homem contra o qual conspirou e a outra metade é confiscada pelo estado como multa. Além disso, o Duque possui poder de vida ou morte sobre ele.

Quando Shylock é perdoado pelo Duque, ele diz ao tribunal que preferia a morte a perder tudo o que tinha. Antonio pede ao tribunal que devolva a multa de metade da riqueza de Shylock se ele se converter ao Cristianismo. Além disso, Antonio declara que manterá sua parte sua parte como um dote para Jessica e Lorenzo. Portia concorda com isto, e também faz Shylock prometer deixar todo seu dinheiro para Lorenzo após sua morte.

Depois do julgamento, Bassanio agradece ao "Doutor Baltazar" pelo seu bom trabalho e oferece qualquer coisa que "ele" deseje. Portia pede a ele que dê o anel que ela lhe entregara antes como o símbolo do seu amor. Ele fica aborrecido, pois ainda pensa que Portia é "Baltazar". No entanto, depois de Antonio lembrar que ele quase tinha perdido sua vida por Bassanio, Bassanio cede e entrega o anel ao "Doutor".

Portia e Nerissa retornam a Belmonte vestidas normalmente. Lorenzo e Jessica tinham se instalado em Belmonte e viviam confortavelmente. Pouco depois do retorno das duas mulheres, Bassanio e Graziano chegam de Veneza. O alegre encontro é estragado quando Portia pergunta a Bassanio sobre o anel, que ele não mais possuía. Ela o perdoa apenas depois que Antonio dá sua palavra de que Bassanio é fiel.

Portia então dá o anel a Antonio e faz com que ele o entregue a Bassanio. Ele fica chocado ao ver o mesmo anel que ele tinha dado a "Baltazar". Portia finalmente conta toda a verdade sobre Baltazar. A peça termina com os três casais felizes: Lorenzo e Jessica, Nerissa e Graziano e Portia e Bassanio. Antonio e Shylock, entretanto, se mantém à parte, separados do final feliz.